Um nome pomposo, visto do lado científico.

Visto do meu lado, posso chamar-lhe como os catalães - o Triste! Ou, popularmente, por cá, a "Fuinha dos Juncos"

O Triste, porque o seu piar é triste mas, para mim, quando ele entra na minha caminhada, é uma alegria.

É uma alegria porque gosto dele e gosto de ouvir o seu pio.

 

 

Um dia destes, caminhava eu por Miraflores e comecei a ouvir o som do Sr. Triste. Olhei o céu sobre a minha cabeça mas nada. Ao mesmo tempo passava um tipo a correr e o Sr. Triste saíu de cima da árvore (Ginkgo Bilova - o fóssil vivo). Deu uma volta a piar e foi pousar no mesmo sítio a cantar para mim. Por isso acho que somos amigos inseparáveis, eu e a Fuinha dos Juncos, ou o Sr. Triste, ou a Cisticola Juncidis!

 

Cada pio de tristeza, quando voa, dá-se a cada impulso do voo.

Ele aparece-me, sobre a cabeça, com o seu pio comandado pelos impulsos do voo e  a minha caminhada pára logo. Normalmente, aparece-me sempre do lado do sol! A minha vista tenta penetrar a luz e lá me aparece essa bolinha penuda no ar e o seu "piu-piu" denuncia-o.

 

 

Saía, formava os seus picos de voo e dava-me os seus "piu-pius" melodiosos e tristes mas vinha sempre pousar junto de mim

 

Com a visão do alvo penudo e o barulho do seu "piu-piu", eu sou logo transportado até às origens! Começo por sair da Açoreira com as vacas,  subir pelo Barroco rumo às Fontes onde, tento evitar que as vacas não entrem na floresta. Coloco-me à frente das vacas e vou caminhando. Por companhia, quase sempre na minha vertical, tenho o meu amigo Triste ou "Cisticola Juncidis".

 

 

Como podem ver, aqui, neste vídeo do Youtube, a Cisticola Juncidis, é uma beleza, mais ainda fazendo voos na nossa vertical e cantando

 

Acho que os catalães têm razão chamar-lhe triste!

Há outro pássaro que não costumo ver por aqui e que me deixa, quando o ouço lá pelos alentejos e algarves, transportar uma certa nostalgia dentro de mim, pelas mesmas razões do Triste! É a cotovia! Quando se levantava na vertical, piando, embora de uma maneira diferente do Sr. Triste e o meu pai me dizia ser uma cotovia, ela nunca mais sumiu do meu olhar, pelas mesmas razões do triste - a saudade de voltar a vê-los pelas minhas Montanhas Lindas!

 

 

Mas o Sr. Triste mostrava-me que também cantava pousado na árvore e sempre para mim. Porém, praticamente, só o consigo fotografar contra o sol. Isto parece-me, porque a melhor visibilidade deve ser sempre a dele!

 

Mas eu julgo que, o Sr. Triste, sempre que me vê, vem ter comigo porque sabe quanto eu gosto dele!

Parece que me desafia a seguir os seus impulsos.







Eu sou o neto do Tobias, o melro amigo do Quico e do Ventor. Agora sem o Quico e sem o meu avô, estarei por aqui, com os nossos amigos, ao lado do Ventor e do Pilantras


publicado por Quico, Ventor e Pilantras às 12:52